18.07.2016
Minha festa surpresa

Minha festa surpresa

 

Hoje é meu aniversário. 45 anos. Tudo passa tão rápido. Eu costumava gostar de festas e de receber os parabéns. Mas como tudo muda, eu também fui mudando ao longo desses anos. E passei a preferir o isolamento e a tranquilidade no dia no meu aniversário. Nos últimos anos, tive a sorte de conseguir viajar. Nesse ano, estou na minha casa, em São Paulo, onde vou passar a data em casa apenas na companhia dos meus filhos.

Sou uma pessoa afortunada e abençoada. Sei que nasci com muitas qualidades e dons, que espero ter desenvolvido para melhorar um pouquinho o mundo. Tive sorte em inúmeras coisas. Batalhei e lutei muito em várias outras. Ganhei. Perdi. Sofri. Celebrei. Chorei. Sorri. Todos os sentimentos foram intensos na minha vida; sempre. Tenho essa qualidade (ou defeito) de ser intensa, entusiasmada, romântica, apaixonada, sensível. Uma canceriana típica, que valoriza a família mais do que qualquer outra coisa.

Um pouco pessimista, daquelas que insiste em ver o copo meio vazio. Talvez seja apenas uma forma de me preparar para o pior, já que sofro demais por tudo e por todos. Preparar-me para o pior deve ser meu jeito de parcelar o sofrimento, as angústias e as perdas.

Não há quem tenha passado pela minha vida sem deixar uma lembrança, uma saudade, uma mágoa, uma alegria. É provável que eu tenha passado de forma invisível pela vida da maioria das pessoas. Não sou uma pessoa que marca a vida de alguém que me veja superficialmente. Mas acredito de verdade que deixo algo de bom para aqueles que decidem dedicar um tempo para me olhar com mais atenção e aceitam receber meu carinho.

Mas quase ninguém tem tempo para olhar o outro. E eu fui desenvolvendo esse medo incontrolável de tudo, o que tem me mantido cada vez mais trancada no mundo particular. Não acho que o medo seja de enfrentar; acredito que o medo seja de não me conter… de me entregar à vida sem me preocupar com o que os outros vão dizer. E por saber que tenho inúmeros censores que insistem em me dizer o que é certo ou errado, o que deve ou não ser feito, onde ir ou deixar de ir, prefiro não arriscar assumir as rédeas da minha vida e fazer o que tenho vontade.

Não aceito me entregar à violência ou a ceder a um assalto. Não aceito o preconceito, o desrespeito, a intolerância, a mentira, a falsidade. Não gosto da superficialidade das relações. Não quero fazer mal a ninguém. Mas também não posso fazer promessas, porque não consigo prever o minuto que se seguirá ao agora. A vida é incerta. Tenho duas certezas: de que tudo muda (nada é permanente) e de que iremos morrer (e de que a morte chega sem hora marcada).

Penso em inúmeras pessoas ao longo do meu dia… tantas pessoas em quem penso com carinho e para quem gostaria de enviar um olá a cada dia que acordo… mas não teria minutos suficientes para enviar todos esses ois… então rezo ou medito pensando em cada uma delas… meus pais, minhas irmãs, meus sobrinhos, tios, primos, amigos diversos, pacientes… Luciana, Mônica, Josiane, Alex, Claudio, Carlos, Suely, Cristina, Raquel, Tiago, André, Márcia… teria que passar a noite citando nomes e mais nomes… e apenas eu saberia a quem estou me referindo.

Minha vida foi uma vida abençoada até esse momento. E ainda assim tenho minhas tristezas. Como pode isso acontecer? Pode ser genético… uma desregulação de neurotransmissores… algum trauma de infância… uma sensibilidade excessiva… um não conformar-se com as desigualdades que acontecem no mundo… ou com o ódio excessivo… ou com a falta de tolerância… ou com a facilidade com que uma pessoa mata outra(s)…

Tudo isso me afeta de forma violenta. Queria ter o poder de mudar isso e de fazer algo por alguém… e não consigo. Vejo uma tarefa tão grande e acabo me paralisando e ficando imóvel frente a tudo isso… Sou tudo ou nada… potencial de ação.

Tenho coisas boas e outras ruins. Tenho inúmeras manias. E essa tendência a me isolar.

E, apesar de tudo isso, existem pessoas que conseguem ver algo de bom em mim… Digo que são meus anjos. Algumas dessas pessoas foram essas que me fizeram essa festinha na sexta-feira. Poucas vezes na minha vida senti algo feito com tanto carinho… um carinho genuíno e sincero… Obrigada de todo meu coração, Simone, Elaine, Karine, Claudia, Edméa e Gláucia!

 

Aniversário 2

– Sílvia Souza

 

 

  Hoje é meu aniversário. 45 anos. Tudo passa tão rápido. Eu costumava gostar de festas e de receber os parabéns. Mas como tudo muda, eu também fui mudando ao longo desses anos. E passei a preferir o isolamento e a tranquilidade no dia no meu aniversário. Nos últimos anos, tive a sorte de conseguir […]


  • Bos días desde este pequeno recuncho na España. E muitos parabens neste aniversario. Com toudo meu carinho. Un beijo.

  • Mariel F. Fernandes

    45, hum? Adorei o texto. Também viajo no aniversário, há muitos anos. Um big, hiper, super, mega abraço, daqueles demorados, de amigos que não se encontram há tempos e têm saudades um do outro. Felicidade, moça!

  • Tati Iegoroff

    Como sempre, um belo texto!
    Parabéns para você (:
    Muuitos outros anos de vida, felizes e cheios de amor!
    Um grande beijo

  • Lari Reis

    Ei, Silvia!
    Eu acho muito curioso estar aqui, lendo seus textos, sabendo que são de uma pessoa mais experiente do que eu, mais lúcida sobre a experiências que viveu e, ainda assim, me sentir em condições de deixar qualquer conselho.
    Sentir tristeza diante de razões para alegria é algo que eu também questiono em mim. Será que vai ser sempre assim? Será que sou eu que permito que seja sempre assim? Não sei… Mas me alegra saber, pelo seu relato, de que é provável que eu sempre tenha (ainda que poucas) pessoas a serem anjos, que compreendem minha forma de ser e que notam, com carinho, minha existência a ponto de quererem celebrá-la. Foi assim que eu interpretei seu momento e eu espero que você sempre consiga ver isso. É maravilhoso 🙂
    Feliz Aniversário!

    • Olá, Lari!
      Adoro receber seus comentários!
      Aprendi na minha vida que a idade nem sempre é determinante de maturidade… e podemos receber conselhos, opiniões, dicas de pessoas mais novas… Tudo depende da nossa vivência, das percepções que temos em alguns momentos…
      Às vezes, vejo que fico meio cega e ser chamada à razão é algo muito importante…
      Já percebi situações em que meus filhos se mostraram mais maduros do que eu ou do que o pai deles…
      Acho que você teve uma percepção correta do meu momento de vida…
      Tenho inúmeras tristezas… E de repente sou presenteada com tantas manifestações de carinho que fazem com que eu me sinta amada…
      Obrigada por sua presença aqui!
      Um beijo grande, com todo meu carinho!

  • Xandy Xandy

    Parabéns, minha querida Silvinha. Os anos passam e você continua sendo a mesma pessoa fantástica que todos conhecemos. É uma honra ser seu amigo.
    Um beijo enorme!!!

    • Alex, eu é que agradeço…
      Eu sei que sou uma pessoa repleta de manias e que nem sempre consigo estar disponível o quanto gostaria… Mas você sabe que mora no meu coração, né?
      Um beijo grande, com todo meu carinho!

  • Leandro Tissiano

    Hum! Canceriana, 18/07. Bom saber. Parabéns, espero que você atravesse todas as suas fases com muita sabedoria. Felicidades! Beijo

  • claudio kambami

    Isso não vale! Cadê meu pedacinho de bolo? Basta eu ficar meio desligado e faz as festa escondidinha, rsss. Parabéns Silvia e um beijão grande em seu coração! <3 🙂

    • Posso confessar uma coisa??? Eu senti sua falta… E estava um pouquinho preocupada… Mas resolvi conter minha ansiedade excessiva e esperar para ver se você aparecia… Espero que esteja bem…
      Depois eu providencio um bolo especial pra você!
      Beijo grande, com carinho!


%d blogueiros gostam disto:
DESIGN POR JESS